• Alessandra Mateucci

Uma surpresa chamada: Chile!

Atualizado: 1 de Nov de 2018

Roteiro de uma semana: Santiago, Valparaíso, Vina del Mar e Cajón del Maipo.


Modéstia à parte - peço licença pra começar assim, - eu sou a rainha das promoções aéreas =D! O som da notificação dos aplicativos no celular mal cessou e eu já comprei! Lhes escrevo escutando a voz do meu amigo, noivo e companheiro de viagem: "tira esses programas do celular dessa menina, gente! Socorro!" Mulheres normais compram sapatos. Eu compro passagens! Cada doido com sua manina, né não !?


"Mas, Alê, pensei que o post fosse sobre o Chile"! E é! A introdução foi só pra te informar que em setembro/2018 a low-cost (baixo custo) chilena Sky chegou ao Brasil vendendo passagens para o Chile a preços SENSACIONAIS. Cotei passagens por menos de R$ 500,00 ida e volta com taxas! Fala sério, né!? Não dá pra perder. Baixe os apps indispensáveis de viagem (falei sobre eles aqui), e fique ligado!


E o que tem pra fazer no Chile? Pensei eu, depois de digitar o número do cartão e o código de segurança. E olha.... Foi uma das melhores viagens que já fiz. E, adianto, uma semana é muito, muito, muito pouco! Mas, dá pra curtir e surpreender-se. Vem comigo?


1. Santiago: cidade-base.


Quando: A capital chilena, Santiago, é perfeita para estabelecer uma base. Com verão quente e inverno frio, hospedar-se em Santiago é estratégico: poucas horas das praias e poucas horas das estações de esqui. A cereja do bolo? Os Andes, sempre ao fundo.


Onde: Ficamos hospedados no bairro Las Condes, uma área nobre e mais moderna da capital, no Regal Pacific Hotel Santiago (cama, comida e chuveiro deliciosos)! Super indico! Cote pelo hoteis.com (meu app preferido de hoteis). O centro da cidade tem acomodações mais baratas e o bairro da Providência é excelente pela localização, pertinho de tudo!


Independente do bairro ou do hotel escolhido, procure acomodação de fácil acesso ao metrô da cidade, cuja pontualidade e funcionamento é de cair o queixo. O Regal Pacific fica a uns 20 passos da estação Manquehue, uma mão na roda.


Bairro Las Condes, na rua do Hotel Regal Pacific. As Cordilheiras ao fundo! Estação do metrô logo atrás.

O que fazer:


- Sky Costanera: observatório nos últimos andares de um edifício que tem 300 metros de altura. Andes, céu e Santiago em 360º. É de ficar babando.

- Plaza de Armas: com artistas de rua e apresentações culturais.

- Palácio de La Moneda: sede da presidência chilena. É permitido visitar mediante reserva antecipada. Nós nos contentamos em sentar na grama verdinha e só contemplar. Em dias alternados, às 10h, há a troca de guardas chilenos.

- Cerro Santa Lúcia: local onde Santiago foi fundada. É um parque lindo e excelente pra relaxar depois da andança. A entrada é gratuita. Assine o livro de visitas e tome fôlego para subir as escadas e rampas.

- Parque Metropolitano: onde está o conhecido Cerro San Cristóbal e o Zoológico de Santiago. Tome o funicular ou teleférico para a parte alta do parque. A vista é linda!


Não deixe: de experimentar a bebida típica "Mote con Huesillos" (chá mate gelado com trigo e pêssego)! Se gostar de futebol, program-se para ir ao estádio (na foto, Colo-Colo 0x2 Palmeiras, pela libertadores/2018). Por fim, a vista do Sky Costanera. (passe pro lado pra ver =D).


Dois dias é o ideal pra cumprir essa agenda! Sem correria! Curta a cidade! Programe-se de modo a assistir ao por do sol do alto do Parque Metropolitano e, de lá, pegue o metrô para o Patio Bela Vista, típico espaço cultural cheio de restaurantes. Gostamos tanto que fomos duas vezes! Comemos no La Colorina (anota aí por que ninguém merece o imbróglio: "escolhe você"; "não! pode escolher você"; "por mim, tanto faz"!), rssss!


2. Valparaíso e Viña Del Mar


Valparaíso: a cidade portuária do Chile, está a 110 km de Santiago. Muitas empresas de turismo vendem o pacote até lá. Nós, macacos velhos, fomos por conta própria. Já te explico como!


De metrô até a estação Pajaritos, onde está o terminal de ônibus Pajaritos (linha 1 do metrô). Há cada 15 minutos saem os ônibus e em 2 horas você está no Terminal de ônibus de Valpo. A empresa foi a Turbus e a compra direto no guichê do terminal Pajaritos! Como era feriado (festas pátrias), pagamos uma fortuna, 12 mil pesos cada, cerca de R$ 80,00. Fortuna, pois, em dias normais, a ida e volta custaria cerca de 5 mil pesos.


Outra opção é ir de carro. Se for o caso, em 1h20min você chega em Valparaíso. A estrada é boa e praticamente uma reta só. Faça as contas e analise o custo-benefício!


Locais para visitar:

- Cerro Concepción: região escolhida pelos colonizadores alemães e ingleses para explorar o Chile na América do Sul. Grandes mansões e vista para o Oceano Pacífico.

- Paseo Gervasoni: uma das inúmeras ruas e vielas de Valparaíso, cheia de grafites que dão cor à cidade.

- Ascensores Artilleria ou Reina Victoria: como um bondinho, te leva até o topo das dezenas de cerros que existem na cidade.

- Paseo 21 de Mayo: de lá é possível avistar o porto e a orla de Valpo.


O ônibus da Turbus; o Porto de Valparaíso e uma das diversas placas que indicam o caminho para evacuação em caso de Tsunami!


De Valpo a Viña, fomos de metrô! Não tem erro: há apenas uma linha! Da estação puerto fomos até a estação recreio. Embora sejam tão próximas, logo na saída do metrô nota-se a diferença entre as cidades. Viña é moderna e cheia de edifícios novos, usados principalmente como moradia na temporada de férias dos chilenos.


A cidade possui 13 praias. A mais badalada é a Praia Reñaca! Caminhe pela orla desde a estação do metrô recreio até o relógio de flores (foto obrigatória). Visite também o Casino Municipal, um dos cartões postais da cidade.


O caminho pela orla e o relógio de flores.


Anota aí: Valpo e Viña por conta própria é muito mais interessante - você fica o tempo que quiser e sai mais barato. As duas cidades são coladas uma na outra, mas com atmosferas bem distintas. Fizemos o passeio em metade de um dia. Um dia inteiro é o mais ideal, tendo em vista o deslocamento de 2h pra ir e 2h pra voltar. Na volta, já noite, paramos novamente no Patio Bela Vista, comemos uma massa e tomamos um bom vinho chileno!


3. Cajón del Maipo: ponto alto da viagem!


Cajón del Maipo ficou para o penúltimo dia da viagem. Quase fica de fora! Por outro lado, foi o ponto alto, junto ao Valle Nevado. Para este último dedicarei um post exclusivo!


Cajón é uma região aos pés da Cordilheira dos Andes, com montanhas, rios e um visual incrível, especialmente se o topo da cordilheira estiver nevado. O que atrai os turistas é o Embalse del Yeso, uma lagoa de águas azul-esverdeadas, "presa" entre as montanhas dos Andes. As águas são limpas, potáveis e abastecem a cidade de Santiago.


Contratamos ambos pela empresa skitotal. Não são dos mais baratinhos não, viu?! Mas vale cada centavo. O passeio até Cajón custa no site, hoje (outubro/2018), 24 mil pesos, cerca de R$ 160 por pessoa. Valle Nevado, com equipamento de esqui/snow, não sairá por menos de R$ 500,00.


Peguei a imagem no site da skitotal: tô mutio blogger né não!? Nossa turma foi só de brasileiros!

Dito isso, ao longo do caminho de aproximadamente 2h, o motorista faz uma especie de tour guiado. A van pára numa fábrica de chocolates para banheiro e fotos! Depois, prepare-se para subida e curvas sem fim! Se for no inverno, haverá neve. Vá de bota ou tênis velho! Se for impermeável, melhor!


Do estacionamento onde param as vans até o Embalse del Yeso serão 30 minutos de caminhada. Não desanime! Vale cada pernada!

Voltamos todos dormindo; provavelmente a altitude nos derrubou! Você pode optar por tomar a van direto na empresa da skitotal (6 minutos andando do Regal Pacific - hotel em que ficamos) ou no local em que está hospedado (custo extra). O passeio leva o dia todo. Saímos às 8h e chegamos por volta das 19h30min. O almoço é em um restaurante no meio do caminho, super bonitinho, e não está incluso. Leve água e um lanche fácil. No Embalse del Yeso há apenas banheiros químicos e o uso custa 500 pesos por pessoa.


Pra finalizar, observações gerais sobre o Chile!

1. Como dito, uma semana é pouco! O País é muito rico em cultura e belezas naturais. O deserto do Atacama e a Patagônia merecem, cada um, o mínimo de 4 ou 5 dias.

2. O custo da viagem é intermediário! Embora R$ 1,00 seja o equivalente a 150 pesos chilenos (setembro/2018), você pagará de 600 a 1.000 pesos em uma água, ou seja, R$ 6,00. Em restaurantes, cerca de R$ 12,00.

3. O metrô em Santiago é impressionante. Duvido você esperar mais de 1 minuto entre um trem e outro.

4. O clima no final do inverno (setembro/2018) é maravilhoso!

5. Compre no supermercado (obrigatório, rs): vinho (em viagens internacionais você pode trazer até 12 litros de bebida alcoólica; chocolate: super8 e shanenuss; batatas chips tika - traga muitas, sem dó, e se morar em Brasília traga pra mim! Pimenta: merquén - traga mais de uma, também! Azeite.

6. Quer curtir uma balada à noite: Club Amanda - fica super escondida, mas é uma boate com 3 ambientes muito moderna e sensacional!


Gostou das dicas do Chile? Compartilhe com seus amigos!


Tem dúvidas ou perguntas sobre o roteiro completo? Me mande um e-mail ou direct no instagram!


Se for ao Chile depois de ler o post aqui no blog, me conta, ok?!


0 visualização

Brasília | DF

amateucci@gmail.com

2018

criado por

Alessandra Mateucci

  • Instagram